Vestuário e Comportamento na Santa Missa.

1⁰ Domingo Agosto – Dia do Pai Celestial Clique Aqui.

Mensagens à Anne

Em razão do avanço do modernismo no ceio da igreja católica, esta Jesus Eucaristicoperdeu, não somente a espiritualidade interior, mas alterou-se também o ambiente comportamental das pessoas.

É necessário, portanto, recuperar esta espiritualidade e o comportamento, pois a Santa Missa é um momento de profundo recolhimento, onde o Céu faz-se presente, com a Santa Maria Virgem, a Santíssima Trindade, os Anjos e Santos, apesar de não estarem visíveis aos nossos olhos.

Mesmo que se celebre a Santa Missa Tridentina nos lares, é importante comportar-se e vestir-se adequadamente, pois está-se, de fato,  presente misticamente ao pé da Cruz de Jesus Cristo com toda a milícia celestial.

A Prova da Presença Real de Jesus.

Uma prova da nossa presença mística ao pé da cruz foi retratada na imagem ao lado. Este momento místico foi registado em Agosto de 1932 por uma maquina fotografica onde Jesus crucificado aparece durante uma Santa Missa celebrada pelo padre Palmatius Zilligen no momento da consagração. A foto foi tirada por seu irmão na ocasião de sua terceira celebração como padre consagrado.

Numa outra ocasião, São João Crisóstomo testemunha a visão que ele teve após o ato de consagração do Pao e do Vinho.

“Após a consagração, eu tenho visto esses milhares de Anjos formando a corte real de Jesus, em volta do tabernáculo, eu os tenho visto com meus próprios olhos.” ()

Abaixo, eis uma frase de São Leonardo de Porto Maurício a respeito de como comportarmos ao irmos à um Santo Sacrifício.

“Eis o meio mais adequado para assistir com fruto a Santa Missa: consiste em irdes à igreja como se fôsseis ao Calvário, e de vos comportardes diante do altar como o faríeis diante do Trono de Deus, em companhia dos santos anjos. Vede, por conseguinte, que modéstia, que respeito, que recolhimento são necessários para receber o fruto e as graças que Deus costuma conceder àqueles que honram, com sua piedosa atitude, mistérios tão santos.”

Ainda sobre o vestuário, leia o artigo retirado do site mulher católica, do qual pode-se obter algumas informações relevantes. Tais informações encontram-se também no site fátima.org.

Roupas para a Missa e o decoro na Casa de Deus

 A Igreja é um lugar Santo, pois ali reside Nosso Senhor na Hóstia Consagrada dentro do Sacrário, e é por este motivo que se deve estar bem apresentáveis (com decoro e decência) quando adentrar no Santo Templo de Deus.

Quando se vai à casa de alguém importante ou casamento coloca-se a roupa mais bonita. Se tiver que visitar um rei, vestir-se-ia do modo mais exemplar e respeitável possível, mas nenhuma bermuda e chinelo teria lugar nesta circunstância específica. Tanto na Igreja quanto em nossas casas (pequenas igrejas-lares) fazer-se-á presente o Rei dos reis, Senhor dos senhores, e  deve-se, portanto,  usar trajes apropriados.

Para Deus deve comportar-se com o maior zelo possível e da melhor forma possível, de acordo com a condição de cada um. Vestir-se bem na presença de Deus não implica em usar roupa chique, mas em usar roupa modesta.

Roupas para ir à Igreja e à Santa Missa

Vestimentas femininas

As roupas femininas ideais para as mulheres irem à Igreja e à Santa Missa são:

Saias: devem ser abaixo do joelho pelo menos uns 20 cm (aproximadamente até a metade da canela), de modo que mesmo sentando os joelhos ainda fiquem cobertos;

Blusas: não podem ser cavadas nem decotadas, devem ser com mangas pelo menos até a metade do braço[1]. O ideal é que as mangas, no comprimento mínimo, sejam pelos cotovelos e o decote não passe de dois dedos sob o poço da garganta[2].

Vestidos: devem seguir o mesmo esquema da saia para a parte de baixo e da blusa para a parte de cima[3].

Véu: deve preferencialmente ser branco para as solteiras e preto, marfim ou cinza para as casadas. O véu é um símbolo da “mulher como Maria”. O véu também simboliza a humildade de Maria e sua submissão à vontade Deus, além de “esconder nossa glória e beleza”, que pertencem a Deus e ao nosso marido somente. Além de tudo, o véu ajuda a nos concentrarmos nas orações sem ficarmos olhando para o lado distraídas com o “penteado da vizinha”, entre outras coisas.

JAMAIS
se deve ir à Missa com roupas justas, com o colo de fora, mostrando partes dos seios, ou com os ombros, as costas, a barriga e as pernas de fora ou expostas sob roupas colantes. Além de ser vulgar e indecoroso, é desrespeitoso para com Deus e para com o Sacerdote que celebra a Santa Missa.

Vestimentas masculinas

Calças: devem ser discretas, de tons neutros, de preferência sociais.

Camisas: devem ser discretas, sóbrias, de preferência sociais e de mangas longas. 

JAMAIS se deve ir à Missa de regatas e bermudas! Além de ser sinal de desleixo (pois Igreja não é ambiente praiano nem barzinho), é falta de respeito para com Deus.

Algumas observações: calça x véu

A calça comprida não é vestimenta para uma mulher que realmente quer imitar em tudo a Santíssima Virgem, pois essa peça de roupa não é feminina, muito menos modesta. Falar isso não é ser puritano, nem mesmo tradicionalista radical. Uma mulher que busca velar sua cabeça deve também buscar velar o corpo, e uma calça não vela o corpo, delineia-o muito mais do que deve[4].

O véu deve ter um significado muito maior do que simplesmente “combinar com saia”. O uso do véu significa velar-se para Deus, esconder-se do mundo, fazer-se como Maria. A Virgem Santíssima jamais usaria uma calça comprida.

Nossa Senhora é modelo perfeitíssimo de modéstia e em todas suas aparições [levemos em conta aqui as aprovadas pela Igreja] ela jamais veio trajada com calças ou roupas semelhantes, mas sempre veio com Seu lindo e longo vestido, com um manto cobrindo-Lhe o vestido e o véu cobrindo-Lhe a cabeça. As mulheres devem imitá-La nesse sentido: cobrir o corpo e velar para Deus. Não ser a “atração da igreja”. Deverá ter-se sempre em vista a figura da Virgem Maria: modesta, recatada, recolhida e absorta em oração.

Considerações finais

Em relação ao decoro e à modéstia na Casa de Deus, deve-se ser zeloso e procurar imitar e chegar o mais próximo das virtudes e da modéstia de Nossa Senhora [para as mulheres] e de São José [para os homens]. Claro que não é a roupa em si que confere a um católico o título de “bom” ou de “ruim”, mas todo um conjunto de práticas interiores e exteriores. Neste sentido, pode-se dizer que a veste é um pequeno detalhe, é uma exteriorização da alma de certa forma, porém não é menos importante do que as virtudes interiores. Tudo é um conjunto, o interior e o exterior. À medida que se cresce na Fé e nas Virtudes Cristãs, evidencia, também, o amadurecimento espiritual no exterior da pessoa, na sua maneira comportar, agir e vestir.

—————

[1] Devido a condições de mercado impossíveis de alterar, as mangas curtas são toleradas, temporariamente, com Aprovação Eclesiástica, até que a feminilidade Cristã se volte de novo para Maria, como o modelo do Pudor no vestuário”. (Normas Marianas: A Modéstia no Vestir – Item 2). Disponível em Fátima.org.
É também importante ter em mente que a manga protege os movimentos dos braços, não permitindo que as axilas, partes dos seios e/ou o sutiã sejam expostos. Por este motivo, não se deve usar blusas que não tenham nenhum tipo de manga, como por exemplo, regatas, blusas de alças e Cia, pois elas ferem a modéstia.

[2] Frase dita pelo Cardeal Donatto Sbaretti em 1930: “Um vestido não pode ser chamado decente se é cortado na largura de mais de dois dedos sob o poço da garganta, que não cubra os braços pelo menos até os cotovelos, e mal chegue até um pouco abaixo dos joelhos. Além disso, os vestidos de materiais transparentes são impróprios”. A medida de dois dedos sob o poço da garganta equivale a um decote de mais ou menos 3 cm. Já as Normas Marianas dizem o seguinte: “Os vestidos Marianas devem cobrir completamente o busto, peito, ombros, e costas, exceção feita à abertura do decote, desde que, abaixo da base do pescoço, essa abertura não exceda os cinco centímetros, tanto à frente como nas costas, e outros cinco centímetros na direção dos ombros”. (Normas Marianas: A Modéstia no Vestir – Item 3). Disponível em Fátima.org.

[3]Os vestidos Marianos não acentuam excessivamente o corpo: disfarçam, em vez de revelarem, as formas da pessoa que os usa. Um vestido Mariano deve ser uma cobertura de modéstia, ou seja, deve estar dentro das normas marianas do Pudor no vestuário (cf. Ponto 3) mesmo depois de se tirar o casaco, papa ou estola (no caso de vestidos de festa)”. (Normas Marianas: A Modéstia no Vestir – Itens 6 e 7). Disponível em Fátima.org.

[4] De forma geral, as calças compridas são feitas para delinear o corpo feminino e para salientar as formas femininas. Os cortes modernos, especialmente os das calças jeans, são cortes que evidenciam a sensualidade feminina, e procuram enfatizar as partes do corpo (bumbum, quadril e coxas) que deveriam estar devidamente cobertas e protegidas. Por este motivo, o corpo feminino fica exposto, mesmo estando “coberto”, e isto favorece olhares impudicos e pode propiciar facilmente ocasiões de pecado para quem lança o olhar sobre uma mulher assim trajada.

 Fonte: mulhercatólica.org.