“Meus Amados, Nunca Me Chamais Novamente de Maria, Mas Sempre de Mãe de Deus”

Mensagens da Mãe de Deus e do Pai Celestial à Anne.

Hoje Ela é a Virgem Maria, a Mãe de Deus, a Mãe de Deus e não deve ser mais chamada de Maria, mas sim de Virgem Maria, a Mãe de Deus. Naquele tempo, Ela era primeiramente Maria – a pequena Maria que se colocou à Minha disposição, na qual Meu Filho Jesus Cristo pôde tornar-se pessoa. Depois disso Ela tornou-se a Mãe de Deus e gostaria também ser honrada como Virgem Maria e Mãe de Deus. Não continuai a dizer este nome mundano Maria, somente Maria. Quantas pessoas têm este nome. Porém, há somente uma única Mãe de Deus, a Virgem Maria. Ela permaneceu intocada e somente à Ela é que este nome é intitulado.” (4 Março 2012 – O Pai Celestial fala)

Eu, o Pai Celestial, vos abençoo, pois Eu vos amo e permaneço junto de vós todos os dias e não vos esqueço em momento algum, porque o amor vos abraça e neste amor, podeis alcançar tudo. Assim, estareis firmes unidos comigo na Trindade e com a vossa Mãe Celestial que vos forma e auxilia. Mãe Celestial, ela nunca vos abandonará, pois Ela vos ama acima de tudo como Mãe Celestial, não como Maria.

Meus Filhos, nunca diga Maria para a Mãe Celestial. Isto é um grande erro que “rastejou” para a igreja católica. Ela é a Mãe de Deus, a Mãe de Deus e a Virgem Maria e, isto, é muito mais que Maria.

Desta maneira surgem muitas inconsistências e muito mal, o qual lamentavelmente penetrou na igreja católica através desta deformação do nome de Maria. Muitas pessoas tem o nome de Maria, mas somente uma é a Mãe de Deus, somente uma única é a escolhida desde a eternidade como Mãe de Deus da Imaculada Conceição. Imaculada somente é Ela e assim Ela permanece como a única.

Ela é até mesmo a Rainha dos Anjos e dos sacerdotes e muito, muito mais. Continuai a honrá-La mesmo se os outros a rejeitam. E caso isto ocorra, amai-A ainda muito mais. A pureza é a sua verdadeira distinção. Isto deve ser assim para os sacerdotes, apesar deles não terem reconhecido que eles devem se consagrar ao Seu puríssimo Coração, o Coração Imaculado. Eles precisam desta proteção Dela, a verdadeira proteção de sua amorosíssima e belíssima Mãe de Deus, que ama os sacerdotes acima de tudo e gostaria de trazê-los de volta para o Meu Coração, o Coração do vosso Pai Celestial.” (14 Setembro 2015 – O Pai Celestial fala)

“E assim Eu reúno Meus filhos  igualmente sob a Cruz. Você, Minha pequena Anne, teve que sofrer  hoje o pior dos sofrimentos, que para você é incompreensível. Você quase não pode aguentar isto e não esperava que ainda pudesse receber uma locução (mensagem). Porém, Eu, como Mãe Celestial, desejo desta forma para que a humanidade saiba que aqueles, que o Pai Celestial coloca próximo de Si, sofre o maior dos tormentos, como em seu caso, Minha pequena, pois Jesus Cristo, o Filho de Deus, sofre mais uma vez estes tormentos em teu coração, porque os Seus sacerdotes não querem demonstrá-Lo obediência alguma, porque eles não querem celebrar este Santo Sacrifício da Missa com toda a reverência, porque eles não Me reconhecem como a Portadora de Deus, como a Mãe de Deus e, até mesmo, chamam-Me apenas como Maria. Isto segundo eles, poderia ser considerado como qualquer Maria, mas jamais consideram-Me como Portadora de Deus, como Mãe de Deus.

Em todas as instituições, associações e comunidades religiosas Eu sou referida como Maria. Isto não corresponde de forma alguma à vontade do Pai Celestial. No início Eu era Maria, mas depois da saudação do Anjo Gabriel, após o anuncio, Eu fui encoberta pelo Espírito Santo e o Santíssimo tornou-Se em Mim pessoa, Jesus Cristo, o Filho de Deus. Após isto Eu tornei-Me a Mãe de Deus e nunca mais Maria.

Vós, Meus pequenos amados, estais informados disso, mas o mundo deve saber que eles devem somente chamar-Me de Mãe de Deus. Da forma em que eles hoje tratam o Meu nome, Me chamando somente como Maria, contribuiu e contribui para surgir muito prejuízo moral em torno de Meu nome. Muitas comunidades religiosas de profunda tradição assumiram esta palavra Maria e isto trouxe este desentendimento e, junto com ele, trouxe este pecado de que Eu não mais fui honrada como a Mãe de Deus, mas sim como uma simples Maria e de que Eu não deveria ser (a Mãe de Deus). Portanto vós, Meus amados, nunca Me chamais novamente de Maria, mas sempre de Mãe de Deus. (15 Setembro 2015 – A Mãe de Deus fala).