26 Março 2017 – Domingo-Laetare, Quarto Domingo da Quaresma

Mensagem do Pai Celestial à Anne.

26 Março 2017 – Domingo-Laetare[1], Quarto Domingo da Quaresma. O Pai Celestial fala após o Santo Sacrifício da Missa Tridentina, segundo Pio V., através de Seu solícito, obediente e humilde instrumento e filha Anne.

Anne: Nós celebramos hoje, 26 Março 2017, o domingo-Laetare. Precedeu-se um devoto Santo Sacrifício da Missa Tridentina. O altar do Sacrifício e o altar da Virgem Maria estavam providos com festivos arranjos de flores. Os Anjos, incluindo o Santo Miguel Arcanjo, entravam e saiam durante o Santo Sacrifício da Missa, adoravam o Santíssimo no Tabernáculo e se agrupavam também em torno Dele.

O Pai Celestial falará hoje: Eu, o Pai Celestial, falo hoje, através de Meu solícito, obediente e humilde instrumento e mensageira Anne, que repete as Minhas palavras em plenitude.

Meu pequeno rebanho amado, Meus amados seguidores e  peregrinos e fiéis de perto e de longe. Vós todos recebestes estas bençãos de abundantes Graças neste domingo-Laetare. Contudo, Graça significa também tarefa para vós. Esta tarefa consiste no facto de que vós cumpris Minha vontade. Se Eu ponho a carga sobre vós, então Eu vos peço o que a carregai no amor, não com resmungos e rebeldia, mas sim em Meu desejo e vontade. Isto deve tornar-se sacrifício de amor que se deve cumprir. Estas Graças serão concedidas a vós hoje, neste domingo especial. Olhai para o Evangelho de hoje.

Como se parece, de fato, as coisas neste domingo? Mostrei-vos e vos profetizei os milagres, assim como Eu disse? Não pode também o poderoso Deus revelar–se sem milagres? Sim, isto Eu teria de fato podido (fazer isto) , como Rei de todo o mundo e da humanidade redimida. Assim, Eu teria podido emergir de fato. Contudo, Eu queria também ter de vós um solícito “Sim Pai”, sem operar milagres.

Eu posso operar milagres para que vós reconheceis a fé dos videntes, porém, não o milagre da verdadeira fé. Se vós acreditais somente quando vedes o que acreditais, então isto é uma fé muito fraca. Vós podeis tombar a qualquer momento e chegar ao extremo falso. Com esta fé, Eu não estou de acordo convosco. Acreditar e, contudo, não ver é muito raro. Vós tendes que poder acreditar sem milagres.

Vós padeceis o maior sofrimento neste tempo e tendes que apresentar o maior sacrifício. Vós tendes que aceitar para vós determinados sofrimentos de Minha mão, tal como corresponde ao Meu desejo.

Olhai para o amor de vossa amorosíssima Mãe, vossa Mãe Celestial. Não teve Ela que suportar tudo por amor até ao Meu sofrimento da cruz? Não tem Ela dito um livre “SIM” para o sofrimento de salvação de toda a humanidade, apesar de que Ela sabia que tinha que suportar o sacrifício maior para o futuro? 

Na saudação do Anjo Ela disse: “Sim, Pai, faça-se Tua vontade. Tal como Tu a quer, assim deve acontecer”. Com isso, Ela deu Seu total “SIM” para o sofrimento da salvação. E isto Eu desejo de vós também. Vós não deveis dizer: “Pai, retirai de mim este sofrimento. Caso ele se tornar pior, então tome-o de mim”, mas deveis dizer assim: “Sim, Pai, em Tua vontade eu suporto este sofrimento, tal como Tu desejas e não como Eu a quero  a mim. Eu quero derramar-me em Tua vontade, pois eu Te amo e, deste amor, apresento o maior sacrifício, se Tu o exigir de Mim. Isto são sofrimentos de amor e estes significam os últimos degraus da montanha do calvário. Solícito, Eu escalarei degrau por degrau, como Tu o deseja de mim.”

E assim, abençoo-vos Eu hoje, neste maravilhoso domingo da alegria na Trindade com todos os Anjos e Santos, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Que vos ame o Deus Trino e deseje de vós continuamente um solícito: “Sim, Pai, Tua vontade aconteça”. Amém.

[1] Domingo-Laetare – (Laetare = Alegrai-vos) na antiguidade crista, o quarto domingo da quaresma era o “dia das rosas”. Os cristãos presenteavam-se mutuamente com as primeiras rosas do verão. A Santa Igreja também interrompe na Quaresma a sua penitência e demonstra alegria pelo toque do orgão.